Crítica: Homem Formiga

No ano passado a Marvel deu seu passo mais incerto ao investir em um filme com personagens pouco conhecidos do público, porém a aposta inusitada deu certo e Guardiões da Galáxia foi sucesso de público e crítica. Desta vez o estúdio fez outra aposta inusitada ao investir no filme de um personagem, que apesar de ter uma maior relevância dentro de seu universo como um membro fundador dos vingadores, é pouco conhecido do público em geral.
Homem-Formiga

Na trama Scott Lang (Paul Rudd) acabou de sair da prisão e tenta manter uma vida longe do crime mas logo percebe que não será uma tarefa fácil. É ai que o Dr. Hank Pym (Michael Douglas) ver a oportunidade para convencer Scott a ajudá-lo a proteger os segredos por trás do traje do Homem-Formiga e impedir que o CEO de sua empresa Darren Cross (Corey Stoll) crie um exército de homens do tamanho de formigas que pode representa um risco global. Lang e Pym precisam planejar e realizar um assalto para salvar o planeta.

Apesar de ser escolhido de última hora devido a saída de Edgar Wright do projeto, Peyton Reed (conhecido por comédias como Sim Senhor!, Separados pelo Casamento e Abaixo o amor) fez um bom trabalho e conseguiu fazer um filme equilibrado, com um toque emocional e um ótimo senso de humor como já é padrão nos filmes da Marvel. Outro ponto forte observado no longa são as referências ao universo Marvel, a trama consegue transitar muito bem entre a saga construída pela Marvel no cinema e ainda assim construir uma história totalmente independente.

Paul Rudd está muito bem em seu papel, assim como a maioria do elenco, ele consegue alternar bem entre cenas mais dramáticas e cômicas e é certamente um dos pontos alto do filme. Evangeline Lilly está muito bem como a Hope mas talvez precisasse de mais espaço na trama para desenvolver seu personagem. Michael Peña que vive o Luis é o destaque cômico do filme que consegue ser engraçado sem exageros. Já o vilão vivido por Corey Stoll em alguns momentos do filme tem um desempenho um pouco forçado mas não chega a prejudicar o personagem de forma geral.

Os efeitos especiais apresentados no filme merecem destaque, principalmente nas cenas em que Scott encolhe de tamanho. A equipe de produção conseguiu deixar tudo muito real e interessante aguçando a curiosidade dos espectadores para conhecer mais sobre este mundo microscópico.

Apesar da baixa expectativa pelo filme, Homem Formiga não decepciona, muito pelo contrário graças ao herói carismático e a história bem estruturada pode ser considerado um dos melhores filmes da fase 2 da Marvel.

Diretor(s): Peyton Reed

Roteiro: Joe Cornish, Edgar Wright, Adam McKay, Paul Rudd e Stan Lee.

Estreia: 16 de julho de 2015

Duração: 1 hr. 55 min.

4/5 (Ótimo)

Anúncios

2 pensamentos sobre “Crítica: Homem Formiga

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s