Mojave, suspense com Oscar Isaac e Garrett Hedlund, ganha primeiro trailer

170363

Mojave, suspense protagonizado por Oscar Isaac (O Ano Mais Violento) e Garrett Hedlund (Peter Pan), ganhou seu primeiro trailer. Veja:

Continuar lendo

Anúncios

Crítica: Peter Pan

Confesso que nunca fui fã da história de Peter Pan e as últimas adaptações sobre o garoto que não queria crescer não ajudaram a mudar minha opinião. Com uma premissa diferente esse novo Peter Pan me convenceu a dar uma oportunidade para o longa, apesar de Hollywood já ter feito inúmeras histórias de origem fiquei curioso para ver esse preludio com a esperança de mudar minha opinião sobre o personagem. Peter Pan (Pan) apresenta os personagens clássicos com uma nova roupagem em um longa que apresenta defeitos na trama mas é valido pela estética que impressiona.

Na trama Peter é um órfão que vive em um abrigo para meninos em Londres durante a segunda guerra, cansado de ser maltratado no abrigo o garoto vive em guerra com a maligna freira que administra o local até que um dia Peter é sequestrados por piratas e levado a terra do nunca, lá ele vai trabalhar na mina do Barba Negra que acaba descobrindo que o garoto pode ser o descrito em uma profecia que seria o responsável por acabar com seu império. Com ajuda de Gancho, Peter foge da mina e encontra os nativos da floresta do nunca que ajudam Peter a descobrir quem ele realmente é, e a libertar a Terra do Nunca do Barba Negra.

Joe Wright, conhecido principalmente por dramas como Desejo e Reparação e Orgulho e Preconceito, nunca tinha dirigido um filme como esse mas, sua versão de Anna Karenina com design de produção excepcional deve ter sido fundamental na escolha do diretor pela Warner. O diretor trás em Pan um universo com visual diferente dos já apresentados em outros filmes de Peter Pan, todos os elementos da história estão presentes mas de forma diferente, sendo a maior diferença no visual das fadas. Completando o visual está o ótimo uso do 3D, com cenas feitas especialmente para explorar a tecnologia que fazem a plateia desviar de objetos em cena. É sem dúvidas um do melhor uso do 3D no ano.

Continuar lendo